Infectologista e a segurança do paciente

Na semana que comemoramos o Dia da Segurança do Paciente é importante conhecermos a ligação da infectologia com a segurança do paciente.

No Brasil, a taxa de infecções hospitalares é de 14% dos pacientes, de acordo com o Ministério da Saúde. Um simples ato de lavar as mãos já diminui bastante os riscos de um paciente contrair uma infecção nos ambientes hospitalares.

A resistência aos antimicrobianos, por exemplo, é um problema que afeta diretamente a segurança do paciente, é aí que entra a atuação dos infectologistas nessa batalha a favor da segurança do paciente. Com um médico especialista, o profissional poderá estudar a melhor alternativa à resistência bacteriana. O paciente deve sempre buscar atendimento médico na suspeita de infecção e nunca se automedicar.

Nos hospitais, os infectologistas encabeçam a CCIH (Comissão de Controle de Infecção Hospitalar) que é obrigatória em todos os hospitais do Brasil. Ter a tutela de um infectologista no dia a dia do tratamento de um paciente vai muito além da higiene, mas também de visitas infectológicas, o uso correto de antimicrobianos e visitas interdisciplinares. Sempre com o objetivo de proteger o paciente.

Com a pandemia, os infectologistas tiveram, e estão tendo, um papel fundamental no enfrentamento à doença. As rotinas é o fluxo de uma unidade hospitalar teve que ser alterada para a segurança dos profissionais e dos pacientes. Os infectologistas foram capazes de fazer treinamento com as equipes, mostrando a melhor forma de se paramentar, proteger e fazer o atendimento. Além disso, os infectologistas estudaram o vírus, que até então era desconhecido, buscando a sua relação com a doença e como ele atua no organismo do paciente.

A Previse Consultoria tem como objetivo a segurança do paciente e sempre está em busca de atualização colocando a sua saúde em primeiro lugar. Quer saber mais sobre os nossos serviços? Entre em contato com a gente!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia Mais

Mais postagens

UTI – Como é a tomada de decisão para prescrição de antibióticos?

Médicos muitas vezes aderem à máxima de que é melhor pecar pelo excesso, porém resistência antimicrobiana preocupa
Nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs), é recorrente que os médicos tomem decisões diante de incertezas diagnósticas, sob pressão e arcando com circunstâncias de alto risco.

Você sabia Neil Armstrong, primeiro homem a pisar na lua, morreu em decorrência de um evento adverso?

Antes mesmo de iniciar sua carreira na NASA, o jovem Armstrong vivia uma vida arriscada, tendo atuado, inclusive, na Guerra da Coreia, conflito iniciado em 1950. Durante a guerra, chegou a encarar uma situação bastante complicada: ao ter o avião que pilotava danificado, teve de ejetar o seu assento. Posteriormente, chegou à NASA e os riscos continuaram. Foi designado a comandar a Missão Gemini 8, em 1966 e, um ano depois, finalmente partiu junto à Apollo 11 com o objetivo de se tornar o primeiro homem a pisar na lua. E o fez, entrando para a história.